Contate-nos: contato@escoca.com.br ou (19) 3873-2108

Fazenda sofre pressão para corrigir tabela do Imposto de Renda

O Ministério da Fazenda já sofre pressão para fazer um novo reajuste na tabela do Imposto de Renda da pessoas físicas. Segundo interlocutores da pasta, a intenção do ministro Nelson Barbosa é não adotar a medida, que tem custos para os cofres públicos e ainda contribui para a indexação da economia. No entanto, os técnicos admitem que o assunto é sensível politicamente e que algum ajuste na tabela pode acabar sendo feito em 2016.

Eles lembram que o PT é um dos defensores da correção, que ajudaria a minimizar os efeitos da inflação sobre a renda dos brasileiros. Cálculos do Sindicato Nacional dos Auditores da Receita Federal (Sindifisco Nacional) apontam que defasagem da tabela chega a 72,2% considerando o período acumulado entre 1996 e 2015. Somente no ano passado, por exemplo, o IPCA atingiu 10,67%, enquanto a correção média nas faixas de renda dos contribuintes foi de apenas 5,6%.

DEFASAGEM

Estudo do Sindifisco Nacional defende que os contribuintes estão pagando mais Imposto de Renda do que deveriam. Segundo o órgão, a defasagem na tabela do IR chegou a 72,2% em 2015. Uma pessoa com renda mensal de R$ 4 mil, por exemplo, paga atualmente R$ 263,87 de IR. Caso a defasagem na tabela fosse solucionada, o mesmo contribuinte pagaria R$ 57,15.

“A intenção (da Fazenda) é não corrigir. Mas isso não é algo definitivo. O tema é sensível e certamente há pressão para que alguma correção ocorra”, afirmou um interlocutor da equipe econômica.

Em 2015, o então ministro da Fazenda, Joaquim Levy, também resistiu em corrigir a tabela. Embora a pressão tenha começado a acontecer logo em janeiro do ano passado, a medida só entrou em vigor em abril. Isso reduziu seu custo de R$ 6,5 bilhões para R$ 3,9 bilhões. Além disso, diferentemente de anos anteriores, ela só valeu para 2015 e foi feita de forma escalonada. Os porcentuais de correção variaram de 4,5% a 6,5% dependendo da faixa da renda dos contribuintes. Quanto maior o rendimento, menor foi a correção.

Ao longo do governo Dilma Rousseff, a tabela foi corrigida todos os anos em, pelo menos, 4,5%. O porcentual é exatamente o centro da meta de inflação. O problema é que os índices de preços têm ficado acima desse porcentual, o que acaba resultando numa perda de renda para a população.

Pelas contas do Sindifisco Nacional, a disparidade entre a correção da tabela e a inflação se acumula desde 1996: enquanto o IPCA subiu 260,9% entre 1996 e 2015, a correção do IR foi de 109,6% no mesmo período

Artigos Similares

Alterações do EFD ̵... A nova versão 2.0.3 está sendo disponibilizada para download, devendo ser utilizada para a geração e transmissão da Escrituração Digital do PIS/Pasep, da Cofins e da Contribuição
CAT institui regime espec... om a Portaria CAT nº 108, os estabelecimentos paulistas que importarem mercadorias para futura saída interestadual poderão solicitar a suspensão, total ou parcial, dos créditos de ICMS (Imposto
e-CT – Consulta Tri... A Secretaria da Fazenda de São Paulo disponibilizou desde setembro um serviço de consulta sobre entendimentos tributários dada as mudanças na legislação e modernização do antigo método
Corrupção vai custar ca... Amanhã, entra em vigor a norma que pune as instituições privadas envolvidas em fraudes contra o setor público. Entre as sanções estão o confisco de 20% do
Novo site da Receita Fede...  Brasília – A Receita Federal lançou hoje (10) uma nova página na internet. De acordo com órgão, o novo modelo usa padrões modernos de navegabilidade e estética,
Taxa Selic janeiro de 201... Conforme artigo transcrito abaixo, segue a nova taxa selic para cálculos de tributos de janeiro de 2012: Art. 1º – A taxa de juros equivalente à taxa
O que fazer na declaraç... COMENTÁRIO: Giovanni Andreoli Neto A fonte pagadora, pessoa física ou jurídica, deve fornecer à pessoa física beneficiária, até o último dia útil do mês de fevereiro do
Atenção transportadoras... Desde dezembro de 2012 as empresas relacionadas no Anexo Único do ajuste Sinief 09/07 estão obrigadas a aderir ao CT-e (Conhecimento de Transporte – Eletrônico). Agora as
Comentário: Escrituraç... É evidente o avanço da gestão tributária no Brasil no que tange a fiscalização, redução ou criação de obrigações principais e assessórias de forma cada vez mais
Como um contador pessoa f... Com a circular n°547/2011 da CEF, o acesso ao Conectividade Social passa a ser exclusivamente por meio da Internet, inclusive para envio e recebimento de arquivos, no endereço

Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *