Contate-nos: contato@escoca.com.br ou (19) 3873-2108

Fazenda sofre pressão para corrigir tabela do Imposto de Renda

O Ministério da Fazenda já sofre pressão para fazer um novo reajuste na tabela do Imposto de Renda da pessoas físicas. Segundo interlocutores da pasta, a intenção do ministro Nelson Barbosa é não adotar a medida, que tem custos para os cofres públicos e ainda contribui para a indexação da economia. No entanto, os técnicos admitem que o assunto é sensível politicamente e que algum ajuste na tabela pode acabar sendo feito em 2016.

Eles lembram que o PT é um dos defensores da correção, que ajudaria a minimizar os efeitos da inflação sobre a renda dos brasileiros. Cálculos do Sindicato Nacional dos Auditores da Receita Federal (Sindifisco Nacional) apontam que defasagem da tabela chega a 72,2% considerando o período acumulado entre 1996 e 2015. Somente no ano passado, por exemplo, o IPCA atingiu 10,67%, enquanto a correção média nas faixas de renda dos contribuintes foi de apenas 5,6%.

DEFASAGEM

Estudo do Sindifisco Nacional defende que os contribuintes estão pagando mais Imposto de Renda do que deveriam. Segundo o órgão, a defasagem na tabela do IR chegou a 72,2% em 2015. Uma pessoa com renda mensal de R$ 4 mil, por exemplo, paga atualmente R$ 263,87 de IR. Caso a defasagem na tabela fosse solucionada, o mesmo contribuinte pagaria R$ 57,15.

“A intenção (da Fazenda) é não corrigir. Mas isso não é algo definitivo. O tema é sensível e certamente há pressão para que alguma correção ocorra”, afirmou um interlocutor da equipe econômica.

Em 2015, o então ministro da Fazenda, Joaquim Levy, também resistiu em corrigir a tabela. Embora a pressão tenha começado a acontecer logo em janeiro do ano passado, a medida só entrou em vigor em abril. Isso reduziu seu custo de R$ 6,5 bilhões para R$ 3,9 bilhões. Além disso, diferentemente de anos anteriores, ela só valeu para 2015 e foi feita de forma escalonada. Os porcentuais de correção variaram de 4,5% a 6,5% dependendo da faixa da renda dos contribuintes. Quanto maior o rendimento, menor foi a correção.

Ao longo do governo Dilma Rousseff, a tabela foi corrigida todos os anos em, pelo menos, 4,5%. O porcentual é exatamente o centro da meta de inflação. O problema é que os índices de preços têm ficado acima desse porcentual, o que acaba resultando numa perda de renda para a população.

Pelas contas do Sindifisco Nacional, a disparidade entre a correção da tabela e a inflação se acumula desde 1996: enquanto o IPCA subiu 260,9% entre 1996 e 2015, a correção do IR foi de 109,6% no mesmo período

Artigos Similares

Escrituração Fiscal Dig... Com a publicação da IN RFB n° 1.353/2013 foi instituída a Escrituração Digital do IRPJ, que será obrigatório a partir 01° de janeiro de 2014 para empresas sujeitas
Novas alterações no Sim... Foi publicada, no Diário Oficial dia 11/11, a Lei Complementar 139, que altera a Lei Complementar 123/2006, promovendo alterações no Simples Nacional. Confira as novas tabelas anexas à lei no endereço: http://www.receita.fazenda.gov.br/Legislacao/LeisComplementares/2011/leicp139.htm
SEFAZ-SP Notícias –... Tribunal de Impostos e Taxas passa a publicar suas intimações no Diário Eletrônico O Tribunal de Impostos e Taxas do Estado de São Paulo (TIT) e as
Chegando o e-Social ESTÁ CHEGANDO O e-Social: e-Social – data de publicação do leiaute e do manual: 30/06/2013 15/07 – consulta web do cadastro do trabalhador do INSS. 29/11 –
Sistema da nota fiscal El... Verifique a disponibilidade do serviço aqui. Legendas da Disponibilidade Vermelho: quando há respostas negativas seguidas para uma consulta (falta Serviço ou falha de conexão). Ocorre após o
Agora o Governo da BA rec... O governo do Estado lançou uma ferramenta para facilitar o recebimento de denúncias de sonegação fiscal e reclamações dobre o atendimento da Secretaria de Fazenda do Estado
Atenção transportadoras... Desde dezembro de 2012 as empresas relacionadas no Anexo Único do ajuste Sinief 09/07 estão obrigadas a aderir ao CT-e (Conhecimento de Transporte – Eletrônico). Agora as
Transporte de carga e Ces... SOLUÇÃO DE CONSULTA Nº 120, DE 16 DE DEZEMBRO DE 2011 (DOU DE 27.12.2011) ASSUNTO:  Contribuições Sociais  Previdenciárias  EMENTA:  RETENÇÃO DE  11%. TRANSPORTE DE CARGA.  CESSÃO DE MÃO-DE-OBRA.
Comissão da Câmara apro... POSTADO POR: COMUNICAÇÃO CFC Por Maristela Girotto Comunicação CFC A Comissão de Trabalho, de Administração e Serviço Público da Câmara dos Deputados aprovou por unanimidade, neste dia
Prorrogação Redução d... Conforme Decreto n° 7.770, de 29 de junho de 2012 fica estabelecido: – prorroga, até 31.08.2012, a redução a alíquota zero dos produtos da linha branca com índice de

Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *